sexta-feira, 24 de outubro de 2008

NOSSA QUERIDA MANAUS, PARABÉNS PELOS SEUS 339 ANOS!


Visão do Rio Negro da Cidade de Manaus. Fonte: Prefeitura de Manaus

Beleza fascinante,
A tua história exalta
A força da tua gente.
Cidade de homens,
Mulheres e crianças,
Entre rios e florestas,
No coração da Amazônia.
Não é só minha, nem tua,
É nossa.

Ademir Ramos

A Cidade tem sido para os homens o cantinho do mundo. Nesse território, os homens passaram a construir espaços e instituir relações de forma estruturantes capazes de definir sua cultura e identidade, fazendo-se reconhecer por seus valores e práticas circunscritos e determinados historicamente.

A organização política das Cidades modernas centradas no antagonismo entre o capital e trabalho tem gerado perversa desigualdade social, promotora de exclusão e estigmatização entre os homens, que por sua vez, integram-se de modo diferenciados à sociedade urbana.

Em “A situação da classe trabalhadora na Inglaterra”, Engels constata que “todas as grandes cidades possuem um ou vários ‘bairros de má reputação’ – onde se concentra a classe operária. É certo que é freqüente a pobreza morar em vielas escondidas, muito perto dos palácios dos ricos, mas, em geral designaram-lhe um lugar à parte, onde ao abrigo dos olhares das classes mais felizes, tem de se safar sozinha, melhor ou pior”.


Lago do Aleixo, situado no Bairro Colônia Antônio Aleixo. Foto: Fábio Braga


A nossa Manaus não é diferente, seus governantes pouco ou nada fizeram para minimizar a desigualdade e muito menos combater a alienação cultural implantada nesse território à margem esquerda do rio Negro circundado pelo verde da floresta. Fundada a mando do capitão Antônio Albuquerque Coelho de Carvalho, então governador do Maranhão e Grão-Pará, em 1669, data em que se inicia a construção da Fortaleza de São José do Rio Negro sob a lógica geoestratégica dos colonizadores portugueses.

Mas, “a importância de sua situação na confluência dos grandes rios, que dispõem as três divisões naturais da Comarca, e a constitui o entreposto do Solimões e Rio Negro, proporcionou-lhe pompto engrandecimento, que cresceu de prompto com a sabia determinação do Governador da Capitania, Manoel da Gama Lobo d’Almada, de transladar para este lugar a Capitania, em 1790, que até então fora em Barcelos”, assim registra, em seu “Dicionário Topográfico, Histórico, Descritivo da Comarca do Alto Amazonas”, de 1852, Lourenço da Silva Araújo e Amazonas.


Porto de Manaus. Fonte: Prefeitura de Manaus

Registra-se também, entre tantos golpes tramados contra o Governador Lobo d’Almada e, indiretamente contra o povo da Fortaleza, popularmente chamada de Lugar da Barra do Rio Negro, promovidos pelo Governador D. Francisco de Souza Coutinho, o derradeiro foi à ordem lavrada na Carta Régia de 2 de agosto de 1798, para transladar a sede da Capitania a Barcelos, o que motivou a decadência do Lugar da Barra.

Passado os anos, com a explosão da Cabanagem (1835 a 1839) instaura-se definitivamente na região uma instabilidade econômica perturbando toda ordem imperial na Amazônia. Nessa conjuntura, em 08 de abril de 1839, o general português Francisco José de Souza Soares Andréia, em passagem de cargo ao seu sucessor, o juiz de direito, Bernardo de Souza Franco, afirmara que: “nestá província está restabelecida à ordem depois de três anos de continuados esforços e fadigas”.

No entanto, segundo o sociólogo Di Paolo, em sua obra “Cabanagem: a revolução popular da Amazônia”, registra-se também, o alerta do truculento general Andréia, sobre algumas exceções: “no Amazonas e seus distritos, só se pode conservar a paz com as armas na mão, particularmente no Rio Madeira, onde os índios não estão completamente obedientes”.


Antiga paisagem da avenida Eduardo Ribeiro

Sem muita escolha, o Presidente da Província do Pará Souza Franco solicita do Governo Imperial “anistia excepcional” para resgatar a legalidade. Esta, por sua vez, foi concedida por meio do decreto de 4 de novembro de 1839, o que levou vários grupos cabanos a depor as armas, como fizeram os índios do Alto Amazonas, que optaram pelo fim da hostilidade.

Com fim da cabanagem, a Província timidamente reinicia um novo ordenamento institucional baixando novos atos, como a elevação de Manaus à categoria de cidade nomeada como Cidade de nossa Senhora da Conceição da Barra do Rio Negro, através da lei nº 145, de 24 de outubro de 1848.

Em seu aniversário exige-se respeito dos governantes quanto ao tratamento dado à Cidade e ao seu povo, na perspectiva de se construir efetivamente uma relação socialmente justa e culturalmente sustentável.

Parabenizamos a nossa querida cidade de Manaus, por seus 339 anos!

Um comentário:

Pedro Afonso disse...

Como já sido habitual, o Trailers Blog - http://trailersblog.blogspot.com/ - lança uma vez mais uma votação online para eleger o Melhor Filme do Ano, bem como o Melhor Filme de Animação do Ano. A votação estará online até ao dia 25 de Fevereiro de 2009. Votem e elejam o Melhor Filme!

The Trailer Blog - http://trailersblog.blogspot.com/ - makes one more time, the election for The Best Movie Of The Year and for The Best Animation Movie Of The Year. The voting will be online until February 25th, 2009! Vote and elect The Best Movie!

Pedro Afonso
(Responsável do Blog :: The Blog Responsable)