sábado, 31 de julho de 2010

WALLACE SOUZA, NA CRÔNICA DE VARGAS LLOSA


Com a morte do ex-deputado Wallace Souza, no dia 27 de julho, em São Paulo e, com o seu festivo sepultamento em Manaus, somos obrigados a retomar a discussão iniciada pelo renomado cronista Mario Vargas Llosa, que postamos aqui há quase um ano atrás, no dia 31 de agosto de 2009, não merecendo muita atenção dos nossos consulentes. Contudo, insistimos na temática porque julgamos ser necessária para ampliar a discussão e pautar o debate sobre a questão da mídia eletrônica na cultura de massa conjugada com o crime organizado e a prática parlamentar. A imagem que publicamos é a mesma que foi editada na crônica de Vargas Llosa, em La Nacion, carregada de variada representação simbólica.
O jornal argentino La Nacion, em sua edição impressa e eletrônica do dia 29 de agosto de 2009, publicou em suas páginas a crônica do renomado escritor Mario Vargas Llosa, analisando o caso Wallace Souza, numa perspectiva da pós-modernidade, deslocando o fato das páginas policiais do Amazonas para a representação da realidade tal como simulacro produzido pela mídia eletrônica. O enredo é de valor acadêmico, merecendo ser analisado em suas múltiplas determinações, sobretudo na perspectiva da produção televisa justiceira tão presente no processo eleitoral brasileiro. Vargas Llosa conclui que: “Agora, a televisão começa a ser a própria vida – a realidade - e nós telespectadores como inexistentes comparsas”. A coordenação de pesquisa do NCPAM valeu-se de uma tradução livre para apresentar aos nossos leitores a conclusão do respeitado escritor peruano sobre o caso Wallace. Ademais, publica-se na integra o texto em sua língua original para devida análise dos estudiosos da matéria. Porquanto, leia-se abaixo a conclusão em português e a crônica de Vargas Llosa em espanhol sob o título “El mundo en que vivimos”:
Uma última reflexão sobre as infortunadas vítimas imoladas no altar televiso dos pistoleiros bancados por Wallace Souza, pergunta-se: Como os escolhia? Quais os critérios adotados? Não se pode descartar também que se depositava nele um ‘resíduo’ de escrúpulo moral desde a época em que era, todavia um ser humano, não uma ameba, uma coisa perdida no prostíbulo de uma fauna orgástica, valendo-se de um determinado álibi para justificar sua fama de justiceiro. O mais provável é que não, porque para alguém assim tão teratologicamente identificado com sua profissão, o único critério consistente em relação às vítimas era o de maior audiência televisiva. E não há nenhuma dúvida de que o assassinato de um traficante comove muito menos do que de uma menina inocente, de um cidadão de bem ou de uma senhora grávida. Goste ou não do mundo em que vivemos? O problema é seu, porque tudo indica que já não temos mais como extinguir o jogo da televisão. Agora, a televisão começa a ser a própria vida – a realidade - e nós telespectadores como inexistentes comparsas.

Un productor televisivo que encargaba asesinatos para tener la primicia

El mundo en que vivimos
Mario Vargas Llosa

Londres - El filósofo francés Michel Foucault llegó a la deprimente conclusión de que "el hombre no existe", que cada ser humano no es sino una larga secuencia de simulacros variopintos hechos, deshechos y rehechos por las circunstancias variables de la realidad en la que transcurre su existencia. Todavía más audaz, y acaso más frívolo, Jean Baudrillard fue más lejos y concluyó que aquello que creemos la realidad cuando abrazamos al ser amado o sopamos la pluma en un tintero, tampoco existe, porque la verdadera realidad en la que vive el bípedo contemporáneo no es el mundo que cree pisar sino las imágenes que fingen reflejarlo y que no son sino las interesadas y manipuladas versiones que dan de él los medios audiovisuales al servicio de los poderosos de este mundo.

Estas divertidas, brillantes y falaces fabricaciones intelectuales -así las creía yo al menos- acaban de recibir un sorprendente respaldo, una indicación concreta de que si las cosas no son así todavía, podrían llegar a serlo pronto, dadas las inquietantes características que va adoptando, aquí y allá, la civilización que nos rodea.

Voy a referirlo a mi manera, que no es la del filósofo, claro está, sino la, más modesta, de un contador de historias. Trasladémonos, allende el Atlántico, al centro de la Amazonía, hasta Manaos, capital del estado brasileño de Amazonas, famosa porque, a fines del siglo XIX y comienzos del XX, fue uno de los centros principales del boom del caucho, del que queda como recuerdo un teatro de ópera barroco donde cantó -o se dice que cantó- Carusso.

Hasta hace relativamente poco tiempo el rey de la pequeña pantalla, en Manaos y toda la vasta región amazónica, era un periodista y productor llamado Wallace Souza, que, fiel a su nombre detectivesco, dirigía en la televisión local un programa policíaco llamado Canal l ibre. En él se ventilaban, con descarnado realismo, los crímenes, asaltos, violaciones y demás ferocidades cotidianas con que, tanto en Brasil como en el resto del mundo, los canales de televisión suelen asegurar su codiciado rating halagando el morbo y los peores instintos del gran público televidente.

El éxito del programa era tal que Wallace Souza se hizo célebre y decidió, aprovechando la popularidad de que gozaba, saltar del periodismo audiovisual sensacionalista y truculento a la política (ambos no están tan lejos, después de todo). Lo consiguió con rapidez vertiginosa: en las últimas elecciones salió elegido diputado con la más alta votación en todo el estado de Amazonas. Este es el momento de máximo apogeo en la carrera pública de Wallace Souza, personaje fortachón, mostachudo y barbado, de ternos entallados y, según la prensa, gesticulador y carismático.

Cambio de escenario, dentro de la misma exótica y asfixiante ciudad amazónica. La policía local detiene a un rufián del lugar, ex policía y asesino a sueldo, de apelativo pomposo: Moacir Moa Jorge da Costa, sospechoso de un rosario de fechorías y hechos de sangre, entre ellos, asesinatos. Interrogado y ablandado con los métodos que no es imposible imaginar, confiesa. Sí, ha matado, pero no por maldad ni por codicia, sino profesionalmente, por encargo del flamante diputado y estrella mediática de la Amazonía: ¡Wallace Souza!

Después de sacudirse el trauma que semejante revelación les produce, los investigadores comienzan a atar cabos y las piezas encajan, como en un rompecabezas. Todos los crímenes que ha cometido o en los que ha participado Moacir Moa Jorge da Costa figuraron de manera estelar en los programas de Canal libre y, en todos ellos, las cámaras ubicuas y omniscientes del diputado llegaron al lugar del crimen al mismo tiempo que los asesinos.

La investigación produce este pasmoso resultado: Wallace Souza llevaba a cabo espeluznantes crímenes con el único designio de poder filmarlos antes de que lo hiciera alguno de sus competidores, para obtener las primicias que tenían enganchada a la vasta teleaudiencia, a la que alimentaba en cada programa con sangre, verismo y pestilencia a raudales. Para ello, había montado toda una infraestructura de colaboradores, diestros en la pistola y el cuchillo, seleccionados entre las propias fuerzas de la policía a la que -otra revelación- había estado asimilado.

Quince de ellos están ya en los incómodos calabozos de Manaos, pero no el héroe del macabro aquelarre, pues, siendo legislador y gozando de impunidad, la Asamblea Legislativa tiene antes que despojarlo de aquella para que pueda ser encarcelado y juzgado. ¿Lo será? Paciencia: lo dirá el futuro, y con abundancia de derivaciones y detalles, porque mi instinto me asegura que esta historia tiene para mucho rato.

Hasta aquí los hechos objetivos. Ahora, las conjeturas, acápites y especulaciones. Desde el punto de vista ético, ¿cómo juzgar a Wallace Souza? Es imposible negar que tenía una conciencia profesional desmesurada. Delinquió, sí, pero con la noble intención de servir a su público, de no defraudarlo, de seguir suministrándole aquel horror sanguinario que era su alimento preferido, lo que llevaba a todo Manaos a prender el televisor y buscar Canal l ibre con la ansiedad con que escarba su cajetilla el fumador o se lleva el trago a la boca el alcohólico.

¿Tiene Wallace Souza la entera responsabilidad de haber llegado a esos excesos punibles o la comparte con la miríada de morbosos, subnormales, pervertidos e imbéciles a los que ver mujeres desventradas, chiquillos decapitados, ancianos degollados, arreglos de cuentas de pandillas que se tasajean y entrematan hace pasar una noche divertida?

No es difícil, para cualquier aficionado a la esgrima intelectual, demostrar que Wallace Souza es un producto del siglo XXI, en el que la cultura predominante, en gran parte por la miseria que ha generado la televisión en su frenética carrera por conquistar audiencia escarbando en las sentinas de la vida, destruyendo la privacidad, explotando sin el menor escrúpulo las experiencias más indignas y degradantes, ha pulverizado todos los valores, trastocándolos, de manera que "divertir", "entretener", ha pasado a ser el valor supremo, la prioridad de prioridades, aunque, para conseguirlo, como hizo Wallace Souza, haya que disparar y hundir puñales en el prójimo. Desde este punto de vista, asesino y todo, el director y productor de Canal l ibre es un héroe, o un mártir, de la cultura que, con ayuda de la prodigiosa revolución audiovisual, hemos fabricado para nuestra época.

Desde otro punto de vista, el del "principio de realidad" pascaliano, hago mi autocrítica y reconozco que lo ocurrido en Manaos convierte las teorías (que antes me parecieron delirantes y sofistas) de un Foucault y un Baudrillard en algo que empieza a tener confirmación objetiva en este extraordinario mundo que nos ha tocado. Si Wallace Souza cometió esos crímenes sólo para convertirlos en imágenes, es evidente que, para él y para sus espectadores -aunque éstos fueran menos conscientes de ello que él-, la realidad real era menos importante, meramente subsidiaria o pretexto, de la realidad reflejada por las cámaras, las que, con su perfecta adecuación a los gustos del público, la recomponía, purgaba y recreaba de tal modo que fuera algo que la realidad real lo es sólo muy de cuando en cuando: excitante, terrible, divertida.

Wallace Souza es la primera demostración palpable de que el hombre no es una totalidad definida, sino una materia modelable y cambiante, una melcocha o greda a la que la dimensión imaginaria de la vida propulsada por el sistema educativo más universal y todopoderoso de la historia -las pantallas- va dando forma, realidad y cambiando al capricho de las modas.

Una última reflexión sobre las infortunadas víctimas inmoladas en el ara televisiva por los pistoleros a sueldo de Wallace Souza. ¿Cómo las elegía? ¿Con qué criterio? No se puede descartar que, si quedaba en él un residuo de escrúpulos morales de la época en que todavía era un ser humano, no uno de celuloide o plasma, las escogiera entre la ralea prostibularia, la fauna del ergástulo, para darse así una cierta coartada de justiciero. Pero lo más probable es que no, que, para alguien tan teratológicamente identificado con su profesión, el único criterio consistiera en señalar a las víctimas privilegiando a las que tenían mayor poder de atracción televisiva. Y no hay duda de que el asesinato de un truhán conmueve menos que el de una niña inocente, un ciudadano intachable o una señora embarazada.

¿No les gusta el mundo en que vivimos? Peor para ustedes, porque todo indica que ya no nos queda el antiguo recurso de apagar el aparato de televisión. Ahora, la televisión comienza a ser la vida misma y, nosotros, sus inexistentes comparsas.

Fonte: http://%20www.lanacion.com.ar/opinion/nota.asp?nota_id=1168115

VENEZUELA E COLÔMBIA: CONFLITO VERSUS INTEGRAÇÃO

Beto Almeida (*)

Terminou sem solução a reunião da UNASUL, com a participação de chanceleres, destinada a debater o conflito instalado entre Venezuela e Colômbia. Uma proposta apresentada pelo Brasil com um conjunto medidas para a normalização das relações bilaterais foi rejeitada pela Colômbia no último instante. Em razão disto, decidiu-se pela convocação de nova reunião com a presença dos presidentes. A dificuldade para um consenso talvez esteja de fato expressando o antagonismo de projetos e de expectativas entre os países citados sobre qual destino histórico almejam para a América do Sul, especialmente sobre os passos já dados para a integração do continente, sendo a própria constituição da UNASUL uma prova de que algo caminha, aos trancos e barrancos, apesar dos esforços do neocolonialismo para sabotar a idéia da cooperação sul-americana.

Notoriamente, localizam-se na Colômbia os maiores obstáculos para o desenvolvimento das políticas de integração. Ainda que muitas das iniciativas energéticas, econômicas de cooperação incluam a pátria de Gabriel Garcia Marquez no projeto, apesar da canina obediência de seu governo à ideologia que preservaria, na América do Sul, os “interesses vitais” dos Estados Unidos. Em outras palavras, um confronto de vida e morte está instalado no coração na Colômbia, produzindo uma situação socialmente catastrófica para a maioria de sua população e sendo parte dos fatores que ajudariam a explicar as acusações grosseiras feita pelo governo Uribe à Venezuela. Maior presença militar estadunidense na Colômbia só poderá agravar tal situação e ameçar, concretamente, o curso da integração continental, que pressupõe soberania e autonomia em relação aos EUA.

Vale lembrar, primeiramente, que Álvaro Uribe, que deixa o cargo em 7 de agosto próximo, tentou durante seus dois mandatos manter uma estratégica política de conflito permanente e regulado com a Venezuela e também com o Equador. Mas, por que somente a apenas 15 dias do fim de seu mandato lançaria um ataque midiático de tal porte contra o governo Chávez? Já encontramos aí um sinal de sua própria debilidade, já que contra o Equador, em março de 2008, suas forças militares primeiro atacaram e só depois apresentaram o que chamaram "provas" de uso de território equatoriano por guerrilheiros das FARC, até hoje sem uma comprovação cabal que as retire da sombra da manipulação e da falsificação.

Já as “provas” apresentadas recentemente contra a Venezuela em tudo e por tudo guardam semelhança com as chamadas “armas de destruição em massa de Sadam Husseim”, esgrimidas com estardalhaço midiático mundialmente para justificar a sangrenta invasão e as encomendas da indústria bélica, até hoje banhadas em lucro estupendo. Outro sinal das dificuldades do uribismo para cumprir sua função de ser tocador dos tambores de guerra sul-americana, impedindo qualquer projeto de integração ou até mesmo uma simples nornalização de relações políticas, que também podem levar a planos de cooperação já que a Colômbia também foi afetada pela crise mundial do capitalismo, é a derrota do presidente em duas ações centrais: primeiro, não conseguiu apoio para um terceiro mandato; segundo, também não conseguiu que a Suprema Corte anistiasse seus correligionários mais próximos, inclusive alguns familiares, das robustas acusações de vínculo com o paramilitarismo colombiano e, também, como desdobramento, com o narcotráfico que ,retóricamente, anuncia combater.

Discensões no uribismo?

Embora Santos, o presidente eleito, tenha sido seu ministro da defesa, suas primeiras declarações após a vitória eleitoral, cuja abstenção atingiu quase 60 por cento do eleitorado , chamaram a atenção por indicar interesse em normalizar as relações com os governos chamados bolivarianos, ou seja, com a Venezuela e o Equador. Além deste sinal, há poucos dias houve a troca de toda cúpula militar colombiana, e já após o ataque circense-midiático feito pelo embaixador colombiano na OEA contra a pátria de Bolívar. Sem contar, que já foram nomeados pelo menos três ministros que são claros desafetos de Uribe, entre eles o novo chanceler.

Tais fatos não devem ser menosprezados e podem estar revelando as dificuldades do uribismo para tentar manter intacta a mesma linha política no governo que se inicia. Se por um lado a oligarquia, especialmente a cafeeira, pode contentar-se com a posição subalterna ante os planos estadunidenses de transformar a Colômbia simplesmente num novo Israel, por outro, para a burguesia industrial colombiana, a Venezuela é um excelente mercado para seus produtos, sobretudo automóveis, têxteis, calçados, laticíneos. Portanto, não dispondo de espaços no mercado dos EUA e outros, sabe que a normalização das relações com a Venezuela lhe assegura acesso a um mercado consumidor em fortalecimento, já que o salário mínimo venezuelano é hoje o mais elevado de toda a América Latina.

São contradições desta natureza que fazem com que esteja em construção um gasotudo ligando Colômbia e Venezuela, ou seja, um plano concreto de integração energética e econômica, apesar de no plano político os dois países estarem sempre em posição de embate. Cabe assinalar, também, a presença de pelo menos 4 milhões de colombianos vivendo hoje na Venezuela, onde recebem documentação, cidadania, tratamento médico e dentário gratuitos, com especialistas cubanos, educação gratuita e uma razoável segurança para trabalhar, o que haviam perdido nas áreas de conflito entre as FARC, o exército e os paramilitares em sua terra colombiana

Não teriam direito a nada disso caso - numa hipótese remotíssima - emigrassem par os EUA, onde, se entrassem, seriam tratados como sub-cidadãos. O próprio povo estadunidense não dispõe, ainda hoje, em sua maioria, de uma saúde e previdência públicas...

Uribe versus Lula

Por fim, o protesto de Uribe contra as declarações de Lula não poderiam ser mais ridículo. Lula, deixando claro de que lado está, aposta na integração sul-americana, sua política externa e os investimentos estatais e privados brasileiros o indicam concretamente. Mas, para que esta integração avance é necessária a consolidação das iniciativas de cooperação. Elas estão em curso, muito embora o uribismo que grassa, inclusive, na própria mídia comercial brasileira diga tratar-se apenas de “retórica itamarateca”. A cooperação energética entre Brasil, Argentina e Bolívia, para dar apenas um exemplo, já permitiu que uma importante crise no abastecimento de gás do país de Gardel fosse contornada com sucesso por meio do redirecionamento transitório para lá do gás boliviano que viria para o Brasil.

Cooperação, planejamento e integração. Porém, iniciativas desta natureza defrontam-se com obstáculos para serem implementadas, entre eles o governo da Colômbia, muito embora sua população, pelos indicadores sócio-econômicos negativos que ostenta, também delas necessitem. A instalação de sete bases militares estadunidenses pode fortalecer enormemente os sinistros planos da oligarquia colombiana, mas não expandem a indústria, o mercado, portanto, não geram emprego, nem fortalecem as políticas públicas de saúde, educação e democratização cultural, como as que foram instaladas na Venezuela mas também no Equador, no Uruguai, Bolívia, Argentina e Brasil.

Ao credenciar-se compor o tabuleiro mundial do xadrez estadunidense como um peão belicista tal como Israel, Coréia do Sul e o Paquistão, a Colômbia caminha na contra-mão do processo de integração da América do Sul. Mas, deve considerar que a própria Turquia, que adotava posições também recalcitrantes, foi obrigada pelo curso do processo a dar uma virada radical em sua política externa em relação ao Irã, a Israel, à Palestina e também em relação à Rússia e OTAN, Veremos até onde a Colômbia poderá caminhar nesta rota de contramão, um verdadeiro beco sem saída, que desemboca inevitavelmente na guerra. E no seu próprio isolamento.

Enquanto isto, Raul Castro já declarou que Cuba, que foi à África de armas nas mãos para derrotar o regime e defender Angola, estará, obviamente, ao lado da Venezuela. O caminho está na integração e na cooperação sul-americanas.

(*) É Diretor da Telesur e articulista do Correio Caros Amigos.

sexta-feira, 30 de julho de 2010

LICITAÇÃO PARA CASA DE LEITURA THIAGO DE MELLO EM MANAUS

O Ministério da Cultura publicou na terça-feira (27), edital de licitação para o projeto de restauração, conservação e readequação do antigo Prédio do Tesouro, em Manaus (AM), para a criação da Casa de Leitura Thiago de Mello. A entrega das propostas para obra será até o dia 27 de agosto.

A previsão de custos é de R$ 5,99 milhões, com entrega da obra em 150 dias após a assinatura do contrato com a empresa escolhida. No julgamento das propostas, a Comissão levará em conta o menor preço global, desde que atendidas todas as especificações constantes do edital e seus anexos.

O antigo Prédio do Tesouro, Armazém 15, Trapiche do Armazém 15 e Áreas Externas fazem parte do Conjunto Arquitetônico e Paisagístico do Porto de Manaus (foto), tombado pela União em 1987. Os imóveis estão intimamente identificados com a história do surgimento da cidade de Manaus, na área de ocupação mais antiga do seu Centro Histórico e também são representativos do Ciclo Áureo da Borracha.

A Casa de Leitura Thiago de Mello terá como ponto de partida os acervos pessoais, iconográfico e bibliográfico do poeta, estruturando-se em torno de três grandes temas centrais de sua obra: O homem (a condição humana); A floresta (meio ambiente) e a América Latina (política, cultura e integração).

O edital completo encontra-se no site: http://www.comprasnet.gov.br/ ou solicitado pelo email administrativa.am@iphan.gov.br.

Fonte: Neila Baldi, DLLL-SAI/MinC

UFAM INTEGRA A REDE DE BIODIVERSIDADE E BIOTECNOLOGIA DO MCT

Fica Instituída, no âmbito do Ministério da Ciência e Tecnologia, a Rede de Biodiversidade e Biotecnologia da Amazônia Legal - BIONORTE, com o objetivo de integrar competências para o desenvolvimento de projetos de Pesquisa, Desenvolvimento, Inovação e formação de doutores, com foco na biodiversidade e biotecnologia, visando gerar conhecimentos, processos e produtos que contribuam para o desenvolvimento sustentável da Amazônia, que será dirigida por um Conselho Diretor, gerenciada por um Coordenador-Executivo e assessorada por um Comitê Científico. A Rede será integrada por instituições que atuam em biodiversidade e biotecnologia, visando a formação de recursos humanos e desenvolvimento científico e tecnológico, que possibilite acelerar o processo de desenvolvimento da Amazônia brasileira, produzindo impactos socioeconômicos permitindo a melhoria da qualidade de vida da população.
A Universidade Federal do Amazonas (UFAM) celebrou acordo de Cooperação com o Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) para participar da Rede de Biodiversidade e Biotecnologia da Amazônia Legal - Rede Bionorte. O ato prevê a implementação e estruturação do Programa de Pós-Graduação destinado à formação de doutores especializados nas áreas de biodiversidade e biotecnologia na região da Amazônia Legal.

Mais informação consulte o Diário Oficial da União:
ftp://ftp.saude.sp.gov.br/ftpsessp/bibliote/informe_eletronico/2008/iels.dez.08/iels234/U_PT-MCT-901_041208.pdf

quinta-feira, 29 de julho de 2010

QUESTÃO AMBIENTAL EM DEBATE NA CAPITAL PAULISTA

O Estado de São Paulo, que recentemente publicou o texto de Washington Novaes, sobre a importância do governo brasileiro garantir o Tombamento do Encontro das Águas, cartão postal da cidade de Manaus, promoveu na capital paulista o terceiro evento da série Estadão & Cultura reunindo especialistas por 3 dias no auditório da Livraria Cultura da Paulista para analisar e discutir importantes questões ambientais, veja o vídeo.

Manuel Cunha Pinto
Especial para O Estado de S. Paulo

Nove especialistas em meio ambiente, um público ávido por se expressar e três temas: lixo urbano, comportamento verde e o Código Florestal. Esse foi o cenário do ciclo de debates realizados pelo Planeta, entre 14 e 16 de julho, no Auditório Eva Herz, na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, a Avenida Paulista, região central.
No primeiro dia, o tema era Comportamento verde – a etiqueta do século 21, que foi debatido pela psicóloga e consultora em marketing Beth Furtado, pela arquiteta e ambientalista Marussia Whately e pela analista de tendências Lígia Krás.

No dia seguinte, o jornalista Denis Russo Bugierman, o presidente da Loga, concessionária que cuida de parte do lixo de São Paulo, Luiz Gonzaga Alves Pereira, e o diretor do Departamento de Limpeza Urbana (Limpurb) Sergio Luis Mendonça Alves discutiram o tema Lixo – nova legislação e coleta seletiva.

O último dia de debate foi tenso, já que o tema era Código Florestal – reforma e polêmica. No palco, estavam o diretor da ONG Amigos da Terra Amazônia Brasileira, Roberto Smeraldi, o diretor do Greenpeace, Sergio Leitão, e o relator da Comissão Especial do Código Florestal, deputado federal Aldo Rebelo (PCdoB-SP).

Assista o vídeo sobre os debate ou veja a íntegra dos três dias de evento aqui . 

Fonte: http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,polemicas-ambientais-em-debates-ao-vivo,586755,0.htm

quarta-feira, 28 de julho de 2010

MÁRCIO SOUZA E A INSUSTENTÁVEL CONSTRUÇÃO DO MONOTRILHO

Indignado, o escritor amazonense Márcio Souza, por mais de uma vez, bota a boca no trombone para criticar o projeto insustentável do Monotrilho que pretendem construir na cidade de Manaus no rastro das obras da Copa 2014. A destruição do estádio Vivaldo Lima já começou a ser feita sob o pretexto de se construir uma Arena Esportiva - um tipo de Coliseu Baré -, atendendo às exigência da FIFA, segundo explicam os agentes públicos do Estado sem convencer o grande público. Contudo, contrariando, os investimentos "politicamente correto", a empresa Vale do Rio Doce, representada pela Log-In Logística Intermodal S/A, pretende "melar" o projeto Copa 2014, do Governo do Amazonas, construindo um Porto no Encontro das Águas, cartão postal da cidade de Manaus, que muito significa para a economia ambiental e turística da Amazônia. O empreendimento vem recebendo manifestações contrárias de diversos segmentos da sociedade nacional, que exige do governo federal, por meio do IPHAN, providências imediatas quanto ao Tombamento desse Patrimônio, garantindo dessa feita, sua proteção contra o modal pretendido pela Vale. O mais grave de tudo é a atitude do Governo do Estado do Amazonas que tem feito vista grossa ao projeto, permitindo desse modo, que tudo seja feito para privatização do Encontro das Águas dos Amazonenses. O que põe em risco o próprio projeto sustentável da Copa do mundo de 2014. O fato é que a Arrogância do governo é tão cínica que ofusca o pouco da racionalidade presente nesses Agentes. Confira o texto abaixo e expresse sua indignação:

ARROGÂNCIA IMPRESSIONA

Márcio Souza (*)

É impressionante a arrogância dos tecnocratas do governo do Estado, no que diz respeito ao projeto do Monotrilho. Eles são verdadeiramente impossíveis, não se rebaixam a dar explicações aos simples cidadãos preocupados com o iminente desperdício de dinheiro público, numa opção de transporte urbano de massas que foi largamente repudiada na Europa e nos Estados Unidos.
O projeto do Monotrilho continua a ser listado entre as obras a serem encetadas pelo governo estadual, seguida de um silêncio supulcral quanto à viabilidade e quais os interesses que estão nos bastidores. Repito aqui o que já escrevi antes: o monotrilho é uma navalhada no rosto urbano da capital amazonense. É obra de quem não tem raízes e nem respeito a cidade.

Mesmo nos casos em que o Monotrilho acabou vencendo a resistência dos cidadãos, este passou ao largo dos centros históricos e logradouros que significavam algo na paisagem afetiva das cidades. Mas, aqui não vamos contar com o isso, os tecnocratas e os administradores públicos que insistem nessa calamidade nunca ouviram falar em sensibilidade, são movidos por outros interesses, bem distantes do espírito republicano e do bom funcionamento democrático.

A coisa se agrava na medida em que o prefeito Amazonino Mendes, com sua larga experiência de administrador, desaprovou o Monotrilho. E apresenta a opção correta: o BRT - Bus Rapid Transit, que em portugês quer dizer Trânsito Rápido de Ônibus.

Milhares de cidades do porte de Manaus adotaram esta forma de transporte de massa racional, inventada em Curitiba, na administração do então prefeito Jaime Lerner. Quem já passou por Cáli e Bogotá, na Colômbia, ou em Hamburgo, na Alemanha, sabe como o sistema funciona e é eficiente. Há problemas ambientais, embora bem menores que os causados pelo Monotrilho, que exige intervenção radical na implantação do seu trajeto.

Aqui os inimigos de Manaus querem demolir parte da memória do centro da cidade, além de infernizar a vida de milhares de habitantes da periferia. O BRT provoca ruído e trepidação, além da poluição do ar. Mas a rapidez com que o BRT trafega, com sinais limitados e sem barreiras, permite que o trânsito como um todo flua com mais desenvoltura.

A construção desse malfadado Monotrilho é um acinte aos nossos brios, tal qual a pretensão de alguns empresários gananciosos que querem construir um porto de carga no Encontro das Águas.

Nossas forças vivas precisam dar um basta nesses arrivistas preconceituosos, que pensam que aqui podem excretar suas ambições de enriquecimento rápido brutalizando a nossa cidade e o povo. No caso do Monotrilho, o prefeito Amazonino tem a resposta correta, que o é o BRT, bem mais barato e mais eficiente. No entanto, o mesmo prefeito precisa tomar providências quanto à situação caótica do sistema de transporte de massa que atualmente existe. 'Para começar, já que vamos implantar aqui um sistema inventado pelo paranaense Jaime Lerner, é preciso romper com a quadrilha paranaense que mantém a cidade refém.

Nenhum BRT funcionará sob a condução dessa corja que se aferrou aqui como o último bastião de sua própria sobrevivência "empresarial", já que foram expulsos das cidades do interior de São Paulo, onde imperavam e se achavam acima da lei, ao ponto de perpetrar assassinatos de autoridades.

A minha impressão, e meus sete leitores que me corrijam, é que o prefeito Amazonino já percebeu que não há a menor possibilidade da cidade contar com um sistema urbano eficiente com os atuais "empresários". Não sei se a solução é a criação de uma estatal, como o Brizola fez no Rio, mas cidades como Paris, Nova Iorque e San Francisco, têm sistemas de transportes geridos pelo poder público. E como não viraram cabides de emprego, costumam funcionar muito bem.

(*) É amazonense, escritor, dramaturgo e articulista de a Crítica.

segunda-feira, 26 de julho de 2010

EM DISCUSSÃO, A IMPLANTAÇÃO DO PARQUE TECNOLÓGICO NA UFAM

Na sexta-feira (23), foi ao ar no programa Na Terra de Ajuricaba, pela TV UFAM, Canal 07 e 27 da NET Manaus, o debate sobre a implantação do Parque Tecnológico do Núcleo de Inovação Tecnológica da UFAM (NIT), com apresença da coordenadora Profa. Dra. Socorro Chaves e do prof. Sebastião Marcelice, onde se debateu, entre outros assuntos, a importância da implantação de um Parque Tecnológico na Universidade Federadl do Amazonas (UFAM). No Programa, entre outros pontos, Chaves destacou que a proposta foi concebida pelo NIT para coordenar projetos de inovação tecnológica, surgindo como instrumento catalisador de projetos no interior da UFAM, voltadas para inclusão social e geradora de tecnologias sociais. O Parque é, segundo informa sua coordenadora, o 2º do Brasil desta natureza, abrangendo 24 municípios amazonenses, que dialogam com varias frentes de trabalho. Dessa forma, a natureza metodológica do núcleo está centrada na participação das comunidades tradicionais que tenham projetos desenvolvidos ou em desenvolvimento com a UFAM, arregimentando ações que estejam sustentadas nas práticas de ensino, pesquisa e extensão, pilares básica da Universidade, pressupondo ainda, a participação interdisciplinar da comunidade acadêmica. Portanto, a fim de contribuir cada vez mais com o aprofundamento deste debate iniciado no programa Na Terra de Ajuricaba, postamos abaixo artigo desenvolvido pelo sociólogo Tiago Jacaúna, que, desde 2009 vem desenvolvendo trabalho nesta perspectiva. Esperamos, com este artigo, ampliar cada vez mais a discussão sobre a temática em direção ao desenvolvimento da ciência e da tecnologia na UFAM, numa perspectiva das política públicas, respeitando, sobremaneira, o valor do conhecimento associado, que é patrimônio das comunidades tradicionais e dos povos indígenas.

REFLEXÕES SOBRE CIÊNCIA E TECNOLOGIA NA AMAZÔNIA

Tiago da Silva Jacaúna (**)

O presente texto busca traçar um quatro explicativo para a grave constatação da baixa produção de ciência e tecnologia na Amazônia. Na era da “economia do conhecimento”, esse cenário é decisivo na explicação de problemas como desigualdade, pobreza, desemprego etc. Uma breve análise da economia global, se constata que os países que mais se destacam economicamente são aqueles que geram patentes e dominam tecnologias de ponta.

É através de conhecimento científico e tecnológico que se criam condições para a produção de bens e serviços que atendam as necessidades locais, regionais e globais, todavia, o seu uso inadequado ou a serviço de apenas alguns, pode acarretar problemas graves como desigualdades regionais, dominação econômica, degradação ambiental etc. Assim, quando não existe uma profunda sintonia entre ciência, tecnologia e sociedade, as conseqüências de uso de determinadas técnicas podem ser funestas.

O cenário atual de crise ecológica vem provocando mudanças tecnológicas significantes no intuito de dirimir os impactos ambientais, entretanto, os mecanismos criados pela economia de mercado não conseguiram diminuir sugestivamente a degradação. Nesse sentido, surge a necessidade de se criar novas tecnologias e novos modelos de desenvolvimento. A Amazônia assume papel de destaque na medida em que apresenta uma produtividade ecológica imensa. Porém, a criação de tecnologias que possam utilizar racionalmente e sustentavelmente os recursos naturais da região não é incentivada e, torna-se indispensável o investimento em Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I). Partindo desse cenário, a região amazônica pode contribuir significativamente com o desenvolvimento nacional, uma vez que possui um potencial ecotecnológico [1] expressivo.

As alternativas para incrementar a produção de conhecimento na região atrelada à geração de emprego, renda e inclusão social na Amazônia parte da vontade política, do respeito aos conhecimentos tradicionais e as dinâmicas ecológicas. Para esse fim, a ideia da criação de Parques Científicos e Tecnológicos (PCTs), modelo já realizado em outros países, parece adequado se for pensado como local de produção de ciência e tecnologia condizentes com a realidade regional.

A presença da C&T na história regional

Historicamente, a região nunca conseguiu criar um sistema que pudesse caracterizar um campo de C&T na região. Os primeiros contatos das oligarquias regionais com empreendimentos de C&T foram apenas simbólicos. Costa (1998) mostra que a formação de um aparato científico na região como o Museu Paraense Emilio Goelde, foi mais uma atitude exibicionista das elites locais para demonstrar traços de refinamento cultural para o Brasil ou para o mundo do que iniciativas que buscassem desenvolver conhecimento, tecnologia e desenvolvimento na região.

O Museu e seus quadros científicos eram, assim, caros às elites econômicas locais, mas como um adorno, um luxo com o qual podiam regalar-se em seu período áureo. Como tal, o empreendimento científico não teve nenhuma organicidade com os fundamentos estruturais de sua existência (COSTA, 1998, p. 113).

Num segundo momento, as oligarquias regionais se viram necessitadas de aparatos de C&T, seja por motivos de inserção da Amazônia em seus projetos políticos, seja por susto diante dos interesses estrangeiros na região. Assim, em meados do século XX, formam-se institutos como o Instituto Agrônomo do Norte (IAN), o novo Museu Paraense Emilio Goeldi (MPEG) e o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia ( INPA ), ambos criados dentro de sistemas nacionais, o primeiro pertencente ao Ministério da Agricultura, enquanto os dois últimos coordenados pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Contudo, a criação destes empreendimentos de C&T não advém de demandas locais e sociais concretas ou de necessidades politicamente organizadas, isto é, não havia uma formulação local sistematizada de quadros de necessidades que fossem capazes de ser auxiliadas pela atividade científica. “De modo geral, poderíamos assumir que também nessa fase, a atitude das oligarquias locais foi bastante passiva diante de uma série de empreendimentos de C&T que pouco lhes diziam respeito” (COSTA, 1998, p. 114).

Durante o governo militar no país (1964-1985) os investimentos e a produção já existente da C&T na região foi totalmente desprezado pelas políticas de desenvolvimento do governo. O afã modernizador de tais políticas implementou e incentivou a expansão da fronteira agrícola na região por meio da pecuária e da agricultura, além de ter criado modelos industriais de desenvolvimento com a criação da Superintendência da Zona Franca de Manaus que, nem demandam nem produzem C&T, pois já aportam na região com seus padrões tecnológicos. Isso possibilitou a entrada de tecnologias nocivas ao ecossistema da região como os estímulos ao uso de fertilizantes, a agrotóxicos nos solos da região, o incentivo ao monocultivo etc. “Tais políticas, a rigor, tornaram o investimento em inovação, com raras exceções, irracional na Amazônia, onde a racionalidade empresarial materializou-se nas queimadas, na pecuária extensiva e no empreendimento madeireiro sem critério” (COSTA, 1998, p. 117).

Os avanços da ciência e da tecnologia dentro dos padrões atuais de desenvolvimento, contribuíram para o uso dos recursos naturais de maneira insustentável, contudo, produziram grandes avanços no campo da biotecnologia, microeletrônica, engenharia genética etc., gerando conhecimentos que podem ser aplicados em processos altamente produtivos não necessitando de altos investimentos em capital, recursos naturais e insumos industriais.

Estes recursos científicos podem ser orientados no sentido do desenvolvimento de novos potenciais naturais e tecnológicas, no aproveitamento de fontes alternativas de energia, na descentralização das atividades produtivas e na delineação de novos produtos,

Para Costa (1998) a idéia de um desenvolvimento sustentável ou ecodesenvolvimento presentes nos documentos oficiais é delegada a C&T, dessa forma, são os avanços nesse campo que possibilitarão o tão almejado desenvolvimento sustentável, principalmente na Amazônia. De acordo com o relatório Brasil (1995) apud Costa (1998, p. 124):

[...] a promoção do desenvolvimento sustentável na Região Amazônica requer um grau de conhecimento cuja pré-condição indispensável consiste na realização de um amplo programa de estudos e pesquisas e o intenso intercâmbio no campo das ciências e da tecnologia, a serem realizadas pelas instituições científicas e acadêmicas de que dispõe a Região [...]. O uso racional e sustentável dos recursos ambientais na Amazônia depende da aplicação de tecnologia avançada desenvolvida ou adaptada às suas condições peculiares.

O pensador amazônico Djalma Batista em seu artigo intitulado Ciência e tecnologia no desenvolvimento da Amazônia (1967) publicado no jornal Folha de São Paulo, já argumentava da necessidade de se investir e produzir conhecimento atrelado à realidade social, cultural e natural da região, pois, para ele, a raiz do subdesenvolvimento da região não estava relacionado a fatores como posição geográfica, clima ou vegetação, o problema do subdesenvolvimento era de ordem sociocultural, então, era necessário investimentos em educação, ciência e tecnologia para aproveitar racionalmente o potencial ecológica na região e assim, gerar desenvolvimento.

O autor percebe a urgência de investimentos em C&T ao constatar o desconhecimento dos recursos naturais na Amazônia e o uso de técnicas arcaicas para o cultivo da terra, para a colheita dos bens naturais etc., fazendo-se, deste modo, o uso predatório dos bens naturais. Então, segundo Djalma Batista, os métodos da ciência e da tecnologia devem ser empregados visando:

1) O conhecimento sistemático do que realmente a Amazônia possui, isto é, o inventário de seus recursos naturais.
2) Utilização racional de tais recursos naturais, o que importa na mobilização da riqueza da região. (BATISTA, 1967, p.162).

Segundo o autor, a utilização dos métodos da ciência e da tecnologia,

[...] haverão de criar condições satisfatória para melhorar a vida dos habitantes atuais e para a vinda de uma imigração mais intensa e bem conduzida permitindo ao homem viver bem e construir uma sociedade estável e progressista. (BATISTA, 1967, p.162).

O estudioso dá grande importância às instituições de pesquisa atuantes na região, são elas: Museu Goeldi, Instituto Evandro Chagas, Instituto de Pesquisa e Experimentação Agropecuária do Norte (IPEAN), Instituto de Pesquisa da Amazônia (INPA) e o Instituto Regional de Desenvolvimento do Amapá (IRDA); todas elas, segundo o autor, fazendo grandes trabalhos no campo da pesquisa, propiciando o desenvolvimento da região; porém não contribuem de maneira mais incisiva por enfrentarem graves problemas institucionais, como a escassez de pessoal, pouca verba etc. Para que a ciência e a tecnologia possam ter êxito, ele propõe algumas medidas para as instituições de pesquisa funcionarem devidamente:

a) tratamento especial para a Amazônia;
b) doações financeiras vultosas e pagas a tempo;
c) libertações das peias burocráticas em que vivem enredadas as instituições de pesquisa;
d) estabelecimento de novos níveis de salários, de acordo com o mercado de trabalho técnico do Brasil e o custo de vida da região;
e) intensificação do programa de formar pesquisadores selecionados entre os filhos da Amazônia, com o compromisso de honra a voltarem à região. (BATISTA, 1967, p.162).

Em sua concepção, a pesquisa assume um papel preponderante para o desenvolvimento da região amazônica, é através dela que esta parte do país encontrará o melhor caminho a ser traçado.

A situação recente da CT&I na Amazônia

A relação entre ciência e tecnologia na Amazônia, como foi descrito, não possuía bases nas demandas locais, isso se devia:

[...] ou em função de inclinações decisivamente universalista de algumas de suas instituições, ou como resultado da inclinação que demonstram aquelas com características finalistas de conformação a ditames estratégicos orientados por necessidades estranhas às especificidades regionais. Além do mais, tais empreendimentos desenvolveram-se com baixa complementaridade, suas instituições e pesquisas apresentando baixíssima comunicação e comutatividade (COSTA, 1998, p.108).

Contudo, as atuais crises ecológicas e a importância que a conservação ambiental em nível internacional vem ganhando, podem influenciar significativamente a produção em C&T em busca do desenvolvimento sustentável na Amazônia.

Apesar disso, os investimentos em ciência e tecnologia na região são insatisfatórios. A falta de uma cultura empresarial local em pesquisa, desenvolvimento e inovação, aliada a políticas oficiais de incentivos fragmentadas e intermitentes levadas a efeito nas últimas décadas, mostra um quadro bastante precário.

Como resultado, observa-se o fraco desempenho do estado do Amazonas. Quando o assunto é “patentes”, a contribuição regional é pouco significativa no conjunto do país. O estado tem participado, em média nos últimos anos com apenas 4,7% do total nacional.

Observa-se que no ano de 2003, das 219 patentes registradas, o estado do Amazonas contribuiu apenas com 11, isto é, 5%. Em 2004, o Brasil registrou 278 patentes, sendo o Amazonas nenhuma. Já em 2005 e 2006, o estado voltou a contribuir com o número de patentes do Brasil, com 7,4% e 2,7% respectivamente. Em 2007 o estado também não contribuiu.

Os resultados levam-nos a uma dúvida: o que explica a baixa participação do estado do Amazonas e/ou da região norte em registros de patentes no Brasil?
Analisando os dispêndios dos governos estaduais em C&T em 2004, constata-se que os estados da Amazônia pouco investem em ciência e tecnologia. No gráfico, os estados amazônicos aparecem apenas na categoria “outros”, demonstrando o descaso desses governos com C&T. Do total de dispêndios dos estados, São Paulo é o que mais destina recursos ao “conhecimento”, isso é uma variável importante para explicar a sua importância econômica para o Brasil.

Esse panorama comprova as discussões feitas por Costa (1998) onde demonstra que a região amazônica nunca teve sistemas organizados de C&T e, quando teve, não foi pautado nas demandas regionais. As instituições de pesquisas na região não são suficientes nem dispõem de recursos humanos satisfatoriamente.

Com relação a instituições de pesquisa, em 2000 apenas 6% delas estava presente na região, em 2002 o número sobe um ponto percentual em relação ao ano anterior, 2004 e 2006 a região apresenta apenas 9% das instituições de pesquisa. A região que conta com maior número de instituições de pesquisa nos anos relacionados é o Sudeste com 56%, 52%, 52%, 52% respectivamente.

Com relação à presença de grupos de pesquisa o cenário é idêntico. A região Norte á a que menos conta com a consolidação de grupos de pesquisa. Em 2000 apenas 3% dos grupos estavam na Amazônia, em 2002, 2004 e 2006 a presença destes grupos é de 4%.
Assim, o número insignificante de instituições e grupos de pesquisa inviabiliza a produção de C&T na região. Embora a Amazônia represente um manancial de recursos naturais a serem conhecidos e explorados, o interesse científico nacional ainda não despertou para isso.

A proposta de trabalhar a produtividade ecológica da região esbarra na incipiente presença de ciência e tecnologia. Os investimentos nesse particular, então, tornam-se fundamentais numa proposta de política pública de desenvolvimento socioeconômico na Amazônia.

A idéia de se investir em C&T, como já foi dito, não é nova na Amazônia. Djalma Batista em 1967, ano de criação da ZFM, já mencionava a necessidade de investimentos nesses fatores de produção [2] (tecnologia, recursos humanos).

A seguir traça-se uma proposta de produção de C&T na Amazônia baseado no promissor modelo de Parques Científicos e Tecnológicos (PCTs) e na idéia de sistemas de inovação.

Parques Científicos e Tecnológicos (PCTs): proposta prática para a produção de ecotecnologias na Amazônia

O estabelecimento de marcos que possam contribuir para a criação de mecanismos de C&T na região que possam aproveitar racionalmente a biodiversidade amazônica torna-se urgente na busca para um desenvolvimento auto-sustentado e socio-ambientalmente responsável [3]. Nesse ínterim, as propostas a seguir são baseadas em experiências e conceitos já difundidos e que, se aplicados ao contexto regional, pode favorecer ao desenvolvimento regional.

Um dos conceitos que vem se discutindo bastante é o de sistemas de inovação. Para Lastres e Cassiolato (2003) apud Araújo Filho et al (2008, p.264), sistemas de inovação podem ser definidos como “um conjunto de instituições distintas que contribuem para o desenvolvimento da capacidade de inovação e aprendizado de um país, região ou localidade”. Assim, este conceito permite orientar as políticas públicas para o estímulo à interação entre instituições e aos processos interativos no trabalho de criação de conhecimento e em sua difusão e aplicação.
Baseado nessa idéia se propõe criar na Amazônia sistemas de inovação que possam abranger os seguintes atores sociais:

• Instituições públicas – nos níveis federal e estadual – para atuar na formulação de políticas e no fomento de projetos relacionados a temática da inovação;
• Instituições de ensino técnico e superior com capacidade para formar mão-de-obra especializada em seus diversos níveis;
• Instituições públicas e privadas dedicadas a atividades de P&D;
• Agências federais e estaduais de apoio a projetos de pesquisa, desenvolvimento e formação de recursos humanos qualificados em alto nível;
• Um parque industrial baseado no bionegócio, com empresas capazes de concretizar um esforço conjunto para inovação;
• Um ambiente favorável, fortemente representado na crescente consciência dos atores quanto à importância da CT&I para a sustentabilidade do desenvolvimento local.

Um dos meios eficazes de produzir essa sinergia de atores é através da criação de Parques Científicos e Tecnológicos (PCT’s). Os Parques são um fenômeno que se iniciou na costa oeste dos EUA na década de 50, e tem se expandido para todos os continentes, no ano de 2002 superaram os 600 (CASTRO, 2003).

Os PCT’s funcionam em dimensões reduzidas desenvolvidos, geralmente, por universidades, focados da geração de novas empresas. Dessa forma, o papel das universidades para a geração dos PCT’s é crucial. Para Castro (2003, p.89), entre outros aspectos as empresas estrangeiras e outros potenciais usuários do Parque serão atraídos,

No solamente por los buenos serviços y comunicaciones del entorno sino por su proximidad y relación con una universidad y su potencial docente e investigador, consesuado este con una apuesta social que considera, además, una serie de incentivos fiscales, legales, etc., y que apunta con solidez hacia el futuro.

Numa proposta para a Amazônia os PCT’s funcionariam como o lócus do sistema de inovação acima mencionado. Através não apenas das universidades, mas também das instituições de pesquisa. Esse sistema deverá produzir a articulação entre instituições que desenvolvem P&D, empresas de C&T e a sociedade civil que necessita de soluções para seus problemas. A sinergia entre esses atores é o caminho proposto para a elaboração de ecotecnologias atreladas às demandas locais e comprometida com o desenvolvimento regional.

Conclusão

A C&T assume papel indispensável para o desenvolvimento regional, é através da inovação tecnológica que novos produtos podem ser criados gerando desenvolvimento econômico e social. Entretanto, os padrões tecnológicos atuais vêm comprometendo o futuro da humanidade, pois, utiliza recursos naturais de forma intensiva e extensiva, e gera um conjunto de externalidades ambientais nocivas. Nesse particular, nas regiões onde a vida natural conseguiu ser mantida, torna-se necessária a adoção de novos padrões tecnológicos para utilizar os recursos naturais de forma racional e sustentada.

Nesse contexto, a região amazônica com sua produtividade ecológica potencial, assume papel estratégico para o país. O uso racional de seus recursos, com tecnologias ecologicamente corretas e adaptadas, condizentes com a realidade sociocultural da região, pode gerar um nível de produtividade elevada, capaz de erguer a economia regional dentro dos preceitos de sustentabilidade e inclusão social.

Para tal empreitada, o conceito de Leff (2000) de produtividade ecotecnológica assenta como uma luva no ecossistema amazônico. A noção de ecotecnologias pressupõe o conhecimento dos níveis de produtividade ecológica, do uso produtivo realizado pelas populações tradicionais da região e pela produção de tecnologias que possam aproveitar e aumentar a produtividade ecológica além de ter a capacidade de serem absorvidas pela sociedade. Através da interdependência desses níveis de conhecimento (interação ecotécnica) pode ser pensado um modelo alternativo de desenvolvimento baseado nos preceitos do ecodesenvolvimento e/ou autodesenvolvimento.

O investimento em C&T para a região amazônica precisa ser intensificado, no sentido de se criar tecnologias apropriadas que possam conter o vício nacional de ser apenas consumidor do que produtor de tecnologias. A mudança desse costume arraigado torna-se urgente no que tange a necessidade de criar tecnologias capazes de trabalhar racionalmente e sustentavelmente com os recursos naturais na região.

Todavia, a produção de ecotecnologias exige um conhecimento interdisciplinar da realidade local, onde as ciências naturais e sociais possam manter uma relação de interdependência. Assim, os investimentos em biotecnologias, engenharia genética, mecânica, antropologia, sociologia, economia, ciências agrárias etc., são estruturantes numa proposta de produtividade ecotecnológica para a Amazônia.

Portanto, a operacionalidade dos princípios ecotecnológicos necessita de novos conhecimentos científicos, tecnológicos e novos instrumentos de planejamento, bem como um ordenamento jurídico ambiental orientado por uma visão de seus objetivos em longo prazo (LEFF, 2000). Para Costa (1998) os empreendimentos em C&T na região devem pautar-se na idéia de interdisciplinaridade, e na imprescindível sinergia entre os agentes sociais envolvidos, pois os esforços para produzir conhecimento na Amazônia necessitam de uma visão ampla.

Dessa forma, torna-se necessário que se criem sistemas de inovação que possibilitam a interação e cooperação entre instituições de pesquisa e ensino, agências governamentais e empresas. Para isso, a criação de Parques Científicos e Tecnológicos (PCT’s) torna-se importante, pois permitem a articulação entre os diversos atores interessados na inovação, possibilitando assim, a construção de um aparato em CT&I comprometidos com as demandas sociais e a sustentabilidade ambiental.

A empreitada para a construção de um novo modelo de desenvolvimento para a Amazônia inicia-se através da criação de sistemas de inovação que possibilitem a interação ecotécnica, isto é, a interação entre as diversas áreas do conhecimento científico, o conhecimento tradicional e o uso produtivo desses elementos.

Os PCT’s, dessa forma, seriam o lócus da produção de ecotecnologias, onde se realizaria as três etapas do processo de inovação: pesquisa básica, pesquisa aplicada e o desenvolvimento tecnológico.
Esse conjunto de fatores, articulados com a vontade política e com investimentos maciços em CT&I podem mudar o atual cenário do desenvolvimento regional, criando condições para um modelo sustentável e compatível com os interesses e as demandas locais.

Notas
(1) A ideia de uma produtividade ecotecnológica fundamenta-se em três processos interdependentes e que estabelecem níveis correspondentes de produtividade. O primeiro é um nível de produtividade cultural, esse se baseia no conhecimento tradicional dos recursos naturais e do uso produtivo desses recursos. Em segundo está um nível de produtividade ecológica, baseada na conservação da fertilidade dos solos e na manutenção de certas estruturas funcionais dos ecossistemas das quais dependem, a longo prazo, suas condições de estabilidade e renovação e que, através de tecnologias permitem que possam ser ampliadas. Finalmente, um nível de produtividade tecnológica, que dependem da eficiência dos processos de transformação de um conjunto de meios mecânicos, químicos, bioquímicos e termodinâmicos de produção (Leff, 2000).
(2) Na moderna economia os fatores de produção são: capital, tecnologia, recursos humanos e recursos naturais
(3) No caso da economia do estado do Amazonas, a criação de uma economia baseada no bionegócio ainda é mais urgente, haja vista a dependência ao Pólo Industrial de Manaus onde os incentivos terminam em 2023.

Referências
ARAÚJO FILHO, G. et al. A emergência de um sistema de inovação no Estado do Amazonas: fortalecimento pela governança. Parcerias Estratégicas, nº 26, Brasília DF, p. 261-281, jun. 2008.

BATISTA, D. Ciência e Tecnologia no Desenvolvimento da Amazônia. Folha de São Paulo. São Paulo, 16 mar. 1967. Suplementos da Amazônia. p. 162-163.

CASTRO, F. Los Parques Científicos y Tecnológicos: origenes, desarrollo y perspectivas. In: Ciencia, Tecnología y Sociedad, Editorial Científico-Técnica, Ciudad de La Habana, 2003.

COSTA, F. A. Ciência, Tecnologia e Sociedade na Amazônia. Belém: Cejup, 1998.

LEFF, E. Ecologia, capital e cultura. Tradução de Jorge Esteves da Silva. Blumenal: Edifurb, 2000.

NR Este texto é uma compilação de artigos apresentados no XIV Congresso Brasileiro de Sociologia, 2009 e no VI Congreso de La Asociación Latinoamericana de Sociología del Trabajo. Uma nova versão está sendo tecida com dados mais recentes e incorporando novas ideias fruto dos debates nos congressos apresentados.

(*) Sociólogo e Economista. Mestre em Sociologia pela UFAM. Doutorando em Ciências Sociais na UNICAMP.

INDIGNAÇÃO E PROTESTO CONTRA O PORTO DA VALE

Estamos monitorando as manifestações dos leitores nas páginas do Estadão referente ao artigo do renomado jornalista Washington Novaes, publicado na última sexta-feira, contra a construção do Terminal Portuário, que a Vale do Rio Doce pretende construir no Encontro das Águas, bem onde inicia o majestoso Rio Amazonas, assim como também em nossa página. Esse registro é importante para que possamos avaliar a ressonância da metéria no âmbito da sociedade da informação. Dessa feita, postamos os últimos comentários para que os cidadãos net possam participar efetivamente da rede, documentando sua indignação:

Simplesmente K disse...
Domingo, Julho 25, 2010

Japão, Estados Unidos e Canadá o que eles fariam se o seu patrimônio estivesse ameaçado? Pergunta difícil essa... pensando bem não muito, considerando que o Tio Sam vende até a mãe em troca de ser a nação mais poderosa do mundo. E não penso melhor do Japão e do Canadá... se para eles vender ou explorar seus patrimônios for lucrativo eles não pensarão nem por um segundo senhoras e senhores. Porque acabar com a beleza e o que realmente é necessário para que se viva bem é prerrogativa que observamos no passado que ecoa no presente. Eles querem cimentar o encontro das águas em nome do progresso, da geração de empregos a mesma merda de sempre!!!!

Nós temos um Governo que se autoproclama preocupado com o meio ambiente, amazônia cheio de bla bla bla, essa é a mentira para inglês, italiano e James Cameron comprar... É preciso esclarecer o valor da floresta, do Encontro das Águas sem que necessariamente construamos uma ponte para acabar com tudo... Será que eles pensam que somos todos idiotas? Ou na realidade nós somos idiotas? Enquanto se escreve artigos sobre os outros que não fariam isso, eles não o fazem pois já o fizeram, destruíram meio mundo em nome da "civilização".

Seria mais interessante gastar energia esclarecendo, debatendo e não enfiando goela abaixo da população amazonense como o governo faz através da propaganda nojenta de todo dia.

Conquistar a população amazonense é o desafio número um, demonstrar a insanidade do projeto e que um outro modelo de desenvolvimento e valorização econômica da região não é apenas um sonho, este pode se tornar realidade. O Brasil não conhece a região, o amazonense muitas vezes tem vergonha de ser tão diferente do resto do país. Se o povo acha que a chave do progresso é se parecer com uma grande cidade como São Paulo por ser "cosmopolita" e ao mesmo tempo permite que seus filhos almoçem em seus sacos de lixo...Que merda nós estamos fazendo com Manaus, Amazonas??????

JOSE SOARES disse ...
24 de julho de 2010 20h 06

OS VERDADEIROS AMAZONENSES, AQUELES DE DE FATO QUE AMAM ESTA TERRA E NÃO MEDEM ESFORÇOS PARA DEFENDÊ-LA, ESTÃO DE PARABÉNS! O POST DO NOVAES MOSTRA PARA TODO O BRASIL, ESSA ESTUPIDEZ EM QUE UM GRUPO DE EMPRESARIOS LIDERADOS PELA VALE DO RIO DOCE, BOVESPA E JUMA PARTICIPAÇOES (GRUPO SIMOES - COCA-COLA DE MANAUS), COM O APOIO IRRESTRITO DO EX-GOVERNADOR EDUARDO BRAGA, POLITICOS DO AMAZONAS, EMPRESARIOS DO RAMO DE NAVEGACAO E A SUFRAMA, ESTAO TENTADO DESTRUIR PARTE DA AMAZÔNIA - O ENCONTRO DAS ÁGUAS (PATRIMÔNIO DA HUMANIDADE). NAO PODEREMOS DE FORMA ALGUMA FICARMOS OMISSOS, TODOS OS BRASILEIROS DEVEM LUTAR PARA NAO PERMITIR A CONSTRUCAO DO FAMIJERADO PORTO DAS LAJES, UM PROJETO INSANO!

domingo, 25 de julho de 2010

METAS DO IDEB: A MAQUIAGEM NO ENSINO BRASILEIRO

Maurício Apolinário (*)

O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB), criado pelo INEP para medir a qualidade de cada escola e de cada rede de ensino, reúne num só indicador os dados sobre fluxo escolar, obtidos no Censo Escolar, e médias de desempenho no SAEB e na Prova Brasil. O objetivo do Ministério da Educação é atingir o índice de 6,0 até 2022, na primeira fase do ensino fundamental, mesmo patamar educacional da média dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento (OCDE), ou seja, evoluir da média nacional de 3,8 (2005) para 6,0 (2021). Já nos anos finais do ensino fundamental, de 3,5 para 5,5, e no ensino médio, de 3,4 para 5,2.

No entanto, é importante observarmos dois fatores interessantes: 1º) a média 6,0 é o patamar mínimo exigido pela OCDE, e 2º) as metas estabelecidas pelo INEP/MEC para a rede pública são extremamente tímidas; afinal, são longos 17 anos para se alcançar a meta proposta. Para os anos iniciais do ensino fundamental, com Ideb de 3,8 em 2005, a meta para 2007 era 3,9 e para 2009, 4,2, somente atingindo a meta 6,0 em 2021, que, segundo o INEP, representa um sistema educacional de qualidade. Numa escala que vai de 0 a 10, será que a média 6,0 realmente representa uma educação de qualidade? Há de se considerar que, obviamente, a maioria das escolas prepara antecipadamente seus alunos de 5º e 9º anos do ensino fundamental e 3º ano do ensino médio para a aplicação da Prova Brasil (Português e Matemática).

Essas provas não "medem" o real ensino-aprendizagem da escola. Além disso, principalmente com a implantação do sistema de ciclos, as taxas de reprovação diminuíram de modo significativo, interferindo no indicador, que utiliza dados do Censo Escolar. Portanto, por melhor que seja ter um índice para "medir" a qualidade da educação, que é melhor do que nada, os resultados são questionáveis, haja vista não refletirem a realidade do que ocorre nas salas de aula de nossas escolas públicas. Esses dois fatores levam-nos a inferir que existe desinteresse por parte do governo federal por trás dessas tímidas metas do Ideb. Por quê? A resposta não é de agora, mas vem desde os tempos do colonialismo. Há um interesse político no Brasil em manter a massa da população com uma educação bem básica, bastante superficial, e os motivos são vários, desde os eleitoreiros até aos de grupos ligados ao setor privado de ensino.Analisemos, como exemplo, a rede municipal de ensino de Recife (PE), cujo IDEB em 2005 foi 3,2: a previsão para 2007 foi 3,2, avançando 0,3 de dois em dois anos, para chegar a 2021 a 5,5.

Nesse caso específico, devendo sair do baixo índice de 3,2 para atingir, em 17 anos, a tímida marca de 5,5 (numa escala de 0 a 10). É notório que um número bastante significativo de escolas vem superando essas metas em todo o País, como é o caso de uma escola municipal de Marabá (PA). Seu índice para os anos iniciais do ensino fundamental em 2005 foi 2,7, mas conseguiu alcançar a meta prevista para 2013 em 2007 e a meta prevista para 2015 em 2009, o que eleva também médias estaduais e municipais e, consequentemente, a média nacional. Continuando assim, em 2021 o Brasil já terá ultrapassado e muito a meta 6,0. Uma revolução na educação brasileira? Afirmaria isso apenas quem não entende nada de educação escolar. Eu diria que o IDEB, como muitos outros dados quantitativos apresentados pelo governo federal para a educação, é apenas uma maquiagem, pois os alunos continuam saindo do 5º ano sem saber ler e escrever direito e sem executar, na prática, as noções básicas das quatro operações matemáticas.

(*) É professor graduado em Letras, pós-graduado em Docência do Ensino Superior, Gestão Escolar e Gestão de Pessoas. É autor do livro A arte da guerra para professores. Site: http://www.mauricioapolinario.com.br/.

Fonte: http://meb.zarinha.com.br/2010/07/25/metas-do-ideb-por-que-tao-timidas/

sábado, 24 de julho de 2010

MARINA SILVA PARTICIPA DE DEBATE EM MANAUS

A candidata à presidência da República, Marina Silva (PV), desembarca em Manaus dia 14 de agosto. Ela participa do segundo debate da série Amazônia e as Eleições 2010, organizada pelo Fórum Amazônia Sustentável. O debate será às 10h no auditório Eulálio Chaves - no Campus da Universidade Federal do Amazonas. O mediador será o pesquisador Adalberto Veríssimo, do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon). Os internautas podem enviar previamente suas perguntas para o evento que também terá transmissão ao vivo pela internet. Outras informações: http://www.forumamazoniasustentavel.com.br/.

O primeiro debate aconteceu no dia 13 de julho na capital paraense com o candidato do PSOL, Plínio Arruda Sampaio. De acordo com o candidato do PSOL, o ciclo de debates promovido pelo Fórum é capaz de abrir espaço para a democracia na campanha presidencial. Ele falou para cerca de cem representantes de empresas, organizações civis e lideranças populares. Depois do debate com a Marina, em Manaus, será a vez de José Serra (PSDB) e Dilma Roussef (PT), que também confirmaram presença, mas ainda não definiram local e data.

Amazônia e o Desmatamento... O bioma amazônico se espalha por nove países e soma 6,6 milhões de Km2, dos quais o Brasil detém 65%, ou seja: 4,2 milhões de Km2. Da porção brasileira da maior floresta tropical contínua do mundo, 17% (700 mil Km2) já foram consumidos pelo desmatamento em ciclos sucessivos de investidas em busca de recursos naturais – sobretudo madeira – e áreas para a expansão agropecuária, com predomínio do gado de corte. O desmatamento é a maior fonte de emissões de gases de efeito estufa do país. Isso é cerca de 75% de tudo o que o Brasil emite em todos os setores ou 1,5 bilhão de toneladas de dióxido de carbono. Por outro lado, a floresta tem condições de absorver da atmosfera algo em torno de 2 bilhões de toneladas de carbono, tornando-a um elemento chave nas discussões sobre mudanças climáticas, que atualmente mobilizam todos os países do mundo.E não são apenas os recursos minerais como ouro, diamante ou petróleo que inserem a Amazônia no centro do debate econômico do Brasil. A região tem o maior potencial de água doce do mundo. Em seus rios, os cientistas já identificaram 2 mil espécies de peixes. Aves, répteis, anfíbios, mamíferos e milhares de plantas – muitas ainda desconhecidas – integram o mosaico da extraordinária biodiversidade da região, da qual os cientistas conhecem apenas algo em torno de 10%.

IDH da Amazônia - A complexidade amazônica não se expressa somente na vida selvagem. Cerca de 23 milhões de brasileiros habitam as cidades e a selva da região, com índices de desenvolvimento humano muito mais baixos em relação aos estados do Sul e Sudeste do país. Sem contar com a extensa diversidade de povos e culturas tradicionais (indígenas, ribeirinhos, seringueiros, extrativistas). Grandes centros urbanos como Manaus e Belém partilham o mesmo bioma com pequenos povoados ribeirinhos, comunidades extrativistas e aldeias – muitas delas ainda vivendo de modo isolado.Os planos e projetos de desenvolvimento capitaneados pelos sucessivos governos não conseguiram tirar a região da situação econômica insustentável que ainda se nota ali. Ao contrário, muitos deles estimulariam a ocupação predatória da Amazônia, criando no imaginário brasileiro a falsa noção de um “nada a ser desbravado”. O desenvolvimento amazônico se deu por ciclos de boom-colapso, como definem os pesquisadores. Cada investida, seguia-se de uma derrocada que cada vez mais agravava a situação socioambiental da Amazônia. Por isso, o debate eleitoral brasileiro precisa demarcar claramente quais sãos os planos de governo dos candidatos nessas eleições.

O Fórum Amazônia Sustentável reúne 203 associados. Entre eles, organizações sociais, empresas, trabalhadores rurais, representantes de comunidades tradicionais, indígenas, pesquisadores e governos locais. O Fórum trabalha para criar uma cultura em favor da sustentabilidade, da construção de compromissos de boas práticas produtivas e o apoio ao desenvolvimento sustentável na Amazônia.

S.O.S Encontro das Águas - O Movimento em defesa desse Patrimônio Cultural é suprapartidário e aprovou em seus protocolos de luta que deverá participar efetivamente dos debates eleitorais com os candidatos majoritários. Por isso, os seus representantes estarão presentes no dia 14 de agosto na discussão com a Marina, conferindo as propostas da candidata e reivindicando participação na luta socioambiental pela conservação da Amazônia e, em particular, exigindo que tudo seja feito para garantir o Tombamento do Encontro das Águas como Patrimônio Cultural do povo brasileiro.

GRITA AMAZONAS

Representante da empresa Lajes Logística S/A, controlada da Log-In Logística Intermodal, em reunião, momento em que este articulista se posiciona contra a contrução do Porto da Vale no Encontro das Águas.

Ademir Ramos (*)

O poeta Thiago de Mello tem se tornado para nós filhos da Amazônia, o porta voz da nossa biodiversidade, lutando contra os males e danos que ameaçam deliberadamente as florestas, as águas, os homens e a vida na sua plenitude a verdejar esperança e coragem. Foi ele quem fez toda articulação junto ao renomado jornalista Washington Novaes para que, assim como ele e milhares de cidadãos do mundo, espalhasse ao vento o que se passa por aqui contra o nosso magnífico Encontro das Águas.

Companheiro de luta e esperança, como ele costuma saudar os seus irmão, foi até ao Washington Novaes, recorrendo aos seus préstimos intelectuais, para creditar valor traduzido em solidariedade com as florestas, as águas e a sociobiodiversidade que nelas encerram. E desse modo anunciar ao mundo à má noticia que a Vale do Rio Doce por meio da Log-in Logística Intermodal S/A planejam para apoderar-se da Amazônia, visto que a Vale reina no Pará e agora levanta seus tentáculos para o Amazonas, aliciando profissionais e políticos arrivistas embriagados pelo determinismo econômico.

Estes pretensos investimentos privados contam com o aval do governo. No Amazonas, o berço das articulações tem sido a Superintendência da Zona Franca de Manaus (SUFRAMA), em conluio com o Governo do Estado. Para isso, constantemente, esses arrivistas tem se valido do capital intelectual acadêmico para referendar seus projetos de acordo com a legislação ambiental. É o caso da construção do Porto da Vale/Laje no Encontro das Águas. Os lobistas trabalham em diversas frentes para persuadir seus oponentes, partindo do princípio que todo homem tem o seu preço.

Dessa feita, transformam-se numa força poderosa capaz de influenciar na redução dos interesses republicanos em favor de corporações privadas. Se isso acontecer, o Encontro das Águas, berço de nosso imaginário na Amazônia, será privatizado e toda economia ambiental estará comprometida para presente e futura gerações.

Responda você também... Monitorando o texto do Washington Novaes, no Estadão, publicamos os comentários dos seus leitores abaixo com objetivo de pro-vocar um amplo debate pautado na omissão do IPHAN e, assim sendo indagar: O que impede reconhecer o Encontro das Águas como Patrimônio Cultural? O IPHAN estaria atrelado aos interesse da Vale do Rio Doce? Por que o Governo do Amazonas não se pronuncia sobre a questão? E por que a grande imprensa não pauta a matéria nos seus editoriais? E agora nas eleições, o que fazer para mudar esse cenário de omissão?

Dorival Greggio
23 de julho de 2010 18h50
Entre o amor pleno, platônico esta a fúria da paixão carnal, libidinoso
Entre a beleza da arte reside a liderança desenfreada por ela liberada.
Vivemos nos extremos por mais cotidiano que sejamos, faz parte
A fonte que nos criou e alimentou tudo nos permitiu, livre arbítrio.
Não conseguimos inventar o desgoverno por isso somos governados
Um dia virá a visão que nos permitirá ver nossa cegueira, política.
O futuro virá aos que queiram ou não só então veremos dentro de nós,
E o que vemos nos fará movimentar nossa mente latente de sabedoria.

Aldo Matias Pereira
23 de julho de 2010 16h48
O pior de tudo é que esse "governo", ao apagar das luzes, aos quarenta e cinco minutos do segundo tempo, fará de tudo para dar prosseguimento no projeto, antes que o novo governo assuma. O país já teve outras várias ideias deletérias como essa, que foram implantadas, em nome de um economicismo fajuto e que, hoje sabemos, só serviu para encher os bolsos de uma meia dúzia de privilegiados. Em minha região mesmo tivemos um caso (nada que se compare ao encontro das águas) mas, perdemos o lindíssimo Canal de São Simão a troco de um lago imundo e poluído que permite gerar algumas "merrecas" de energia. E as Sete Quedas do Guaíra então?. Bem, é melhor deixar prá lá e esperar que esses energúmenos sejam defenestrados do poder o quanto antes.

Tulio Amaro
23 de julho de 2010 13h33
Vou repetir: quando é que Washington Novaes vai criar vergonha na cara e passar a assinar que é o responsável pela comunicação social da ONG Instituto SocioAmbiental - ISA, que foi o carro-chefe de Marina Silva no MMA, e de quem Denis Rosenfeld comentou em artigo esta semana?
Por favor, senhor Novaes, asssuma seu trabalho de ONGUEIRO.

Jose Carlos Prado Alves
23 de julho de 2010 12h12
Tudo bem, mas acabem com as favelas de palafitas de Manaus primeiramente. Caso contrário, não vejo beleza no Encontro das Águas.

Ismael Pescarini
23 de julho de 2010 8h56
Washington Novaes está coberto de razão. O bom senso norteia os limites do que seja economicamente imprescindível e esse projeto é claramente de uma ignorância abominável.

Ronaldo Graciano Facchini
23 de julho de 2010 7h19
Em tempo: veja no Google Weart...vale a pena.

Ronaldo Graciano Facchini
23 de julho de 2010 7h18
Encontro das Aguas: Rio Negro e Solimões... só quem conheceu ou teve o prazer de ler o livro de Fernando Sabino. Sr. Presidente, apesar de não gostar de ler, como o senhor mesmo já disse ... procure ler o livro e veja o sentido desta materia de Washington Novaes.

A SANTA CASA PEDE MISERICÓRDIA

Elza Souza (*)

Há algum tempo vi em um programa de televisão cenas bárbaras, num tempo em que o ser humano acha que é “o cara”. Diferente dos outros seres o homem se considera o mais inteligente, o mais moderno e o mais arrojado em suas atitudes. As lágrimas não caíram por muito pouco. Mas um nó se formou no meu peito e na minha alma. A apresentadora mostrou imagens de livros, documentos, de toda uma história jogada num obscuro canto esperando o fim pelas traças e pelo descaso. Assim como o acervo, as pessoas que trabalharam na Santa Casa de Misericórdia estão no mais completo abandono. Os depoimentos de alguns servidores que foram sumariamente deixados de lado, sem direito a receber nem o salário do tempo trabalhado muito menos as indenizações devidas, mostram claramente uma chaga sangrenta de nossa história que vem se arrastando não é de hoje. Intelectuais, juizes, empresários, advogados, artistas, todos têm um “pezinho” na Santa Casa.

Para ficar no âmbito do povo, tive meus três filhos nesse hospital num tempo em que o paciente podia se entregar de corpo e alma aos cuidados do médico e enfermeiros e o profissional da saúde era sinônimo de dedicação e eficiência. Na Santa Casa pude salvar dois dos meus três filhos, todos de gravidez de alto risco. A segurança do lugar e a competência do dr. Wallace de Oliveira foram essenciais naqueles momentos difíceis da minha trajetória.

Sempre que passo na rua 10 de Julho observo aquela árvore tão antiga na frente do prédio que, segundo o pintor Moacir Andrade, quando ele aí nasceu há 83 anos, ela e muitas outras, se espalhavam por ali majestosas. Pelo andar do bondinho, que também não existe mais e pelas árvores dizimadas do centro da cidade, logo, logo o prédio histórico e as lembranças de muita gente, virão abaixo derrubados pela incompetência.

Preservar tudo isso não interessa a ninguém. Nem aos governantes que gostam mesmo é de derrubar para renascer das cinzas. Nem aos empresários que precisam de um forte incentivo para isso. Muito menos a população que ignora, que fecha os olhos, que esquece sua própria história. Não devemos esquecer que muitos ajudaram, mas não puderam evitar a catástrofe do abandono. Na época que ainda atendia à população diziam que alguns funcionários desonestos levavam lençóis e remédios prejudicando já aquela altura o bom funcionamento do hospital.

Portanto, de uma maneira ou de outra, todos temos a nossa parcela de culpa. É triste ver o desenrolar dessa novela. Um empurrando para o outro a responsabilidade pela decadência de um hospital que foi tão importante em nossa sociedade. “Não tem dinheiro” como muitos alegam é uma desculpa digamos um tanto esfarrapada. Com a carência em nossa cidade dos serviços de saúde em toda sua extensão, o resgate da Santa Casa de Misericórdia é o mínimo que as autoridades poderiam fazer pelo povo que tanto amam quando precisam de voto.

Rodando um pouco a caboca, deixem essa conversa de copa no Brasil, boi bumbá, olimpíadas, carnaval, prosamim e utilizem corretamente uns caraminguás com a saúde da população, que está doente, sofrendo pelos corredores dos hospitais bem construídos, modernos, mas que não funcionam adequadamente. Só não sabe disso quem não usa. A palavra é revitalizar, aproveitar o que já tem e dar condições de funcionamento. Façam isso com a Santa Casa e não deixem passar a chance de registrar a sua atuação nessa vida numa causa nobre e autêntica da História do Amazonas.

(*) É jornalista e estudiosa da nossa cultura.

AMAZÔNIA E O AQUECIMENTO GLOBAL

Sintam-se convidados, na próxima terça-feira (27), às 19h30, horário Brasília, a TV Brasil estará apresentando o Programa Expedições sobre os danos da devastação da Amazônia para a saúde do homem no Planeta.

O programa Expedições, sob apresentação de Paula Saldanha, mostra as consequências da devastação da Amazônia para o clima global e para a economia brasileira. Lembra ainda, que o Brasil foi considerado o 4° país mais poluente do mundo devido, sobretudo, às excessivas queimadas na região amazônica.

Além das queimadas, a pecuária e o plantio de soja de forma inadequada afetam o ciclo das águas, provocando a redução das chuvas locais, no centro-oeste e sul do Brasil.

No programa, cientistas do Painel Intergovernamental de Mudança Climáticas (IPCC) sugerem um novo modelo de desenvolvimento para a Amazônia. O Expedições recorda também o acordo firmado pelo Brasil na Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas (COP 15), realizada em novembro de 2009,na Dinamarca, em reduzir as queimadas em 80%.

http://www.tvbrasil.org.br/

sexta-feira, 23 de julho de 2010

O DESAFIO DE PRESERVAR O ENCONTRO DAS ÁGUAS

Washington Novaes (*)
O Estado de S.Paulo

Que pensariam norte-americanos e canadenses se, a pretexto de uma crise energética, se resolvesse desviar as águas do rio e, com isso, deixassem de existir as cataratas do Niagara? Que achariam japoneses se, com a descoberta de uma jazida de um metal precioso, se resolvesse implantar um grande projeto de mineração no sopé do Monte Fuji e de suas neves deslumbrantes? O escritor Ernest Hemingway poderia levantar-se indignado do túmulo se, com igual motivo, se decidisse escavar sob o Monte Kilimanjaro, na África, tema de seus escritos. Pois é com indignação que o poeta amazonense Thiago de Mello brada aos ventos contra o projeto de implantação de um terminal portuário ao lado do majestoso Encontro das Águas do Rio Negro com as do Solimões, que dá origem ao Rio Amazonas. Já há um forte movimento em Manaus para impedir que o projeto vá em frente (os defensores da obra argumentam com a "importância econômica" e a geração de empregos). E da oposição participa boa parte da comunidade acadêmica, que tem seus argumentos consolidados pelo professor Ademir Ramos, da Universidade Federal do Amazonas - que lembra também a importância histórica e científica dos sítios paleontológicos identificados na área.

O majestoso Encontro das Águas fascina brasileiros e turistas de outros países que vêm conhecê-lo (isso não é "importância econômica"?). O escritor Fernando Sabino escreveu (O Encontro das Águas, Editora Record, 1977): "Tudo aqui parece encerrar um sentido simbólico; os rios, as florestas, os animais e as plantas, os próprios homens. Aqui a natureza nos dá a sensação vertiginosa de que um dia fomos deuses. Aqui a alma se expande até perder-se no vazio onde o espaço e o tempo se confundem, para reencontrar-se numa vida além da vida, em que tudo se harmoniza - tempo e espaço, civilização e natureza, homens e deuses - numa perfeita integração."

Pois é nas proximidades desse fenômeno e em área de propriedade da União que se quer levar adiante um projeto de R$ 220 milhões, bancado por duas grandes empresas, com forte apoio em áreas políticas locais.

A Secretaria do Patrimônio da União, em Brasília, deu parecer contrário, mas a Gerência Regional no Amazonas opinou a favor do empreendimento e com isso liberou a regularização de "faixa de terreno marginal do rio federal" (Amazonas). O Ministério Público Federal conseguiu na Justiça, em Manaus, medida liminar sustando o licenciamento - mas ela foi revogada em Brasília pela Justiça Federal. Agora o Ministério Público estadual tenta reverter o quadro.

Segundo a proposta apresentada, o "cais de flutuantes será composto de 4 flutuantes de 65 metros de comprimento, 30 metros de largura (boca) e 4 metros de altura (pontal) cada um, perfazendo uma extensão total de 260 metros", à margem frontal ao Encontro das Águas. E tudo isso ocorre num momento em que se afirma universalmente a necessidade de reavaliar enfoques humanos diante de questões como mudanças climáticas, insustentabilidade de padrões de produção e consumo no mundo.

O próprio Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) está propondo implantar um novo índice que inclua o valor monetário dos serviços prestados gratuitamente pela natureza (fertilidade natural dos solos, regulação do clima e dos recursos hídricos, importância da biodiversidade para a criação de fármacos, etc.). E é com visões dessa natureza que precisam ser confrontados projetos que põem em risco patrimônios naturais e da biodiversidade. Neste momento mesmo estão no meio de polêmicas vários projetos de portos que implicariam esses riscos - em Santarém (PA), no litoral baiano, em Santa Catarina, no litoral norte de São Paulo.

Da mesma forma, o projeto considerado ameaçador para o Encontro das Águas que formam o Amazonas. Neste caso, precisa ser considerado também o patrimônio representado pelas visões da cultura popular amazônida - sempre tão desprezada. Segundo o escritor Márcio de Souza, ela só aparece como folclore "e depois que passa a polícia".

Mas quem viaja pelos rios da Amazônia vai descobrir de repente - como o autor destas linhas -, no Rio Nhamundá, no Lago da Serra do Espelho da Lua (que nome!), que a lenda das amazonas, para os moradores da região, não é uma lenda . É História, com H maiúsculo: elas habitavam a região, sequestravam homens para ter relações sexuais e a eles entregavam os recém-nascidos, se fossem do sexo masculino; com a aproximação dos colonizadores europeus, "elas foram fugindo para o norte, até depois da última cachoeira, em Roraima". Poderá descobrir que a "democracia do consenso" de que fala o antropólogo Pierre Clastres está em pleno vigor entre os índios maués, à beira dos Rios Andirá e Marau. A eles devemos, entre outras coisas, a descoberta das propriedades energéticas do guaraná, reveladas por seu herói criador. E muito mais.

É preciso abrir ouvidos aos poetas, aos artistas, que conseguem incorporar a importância dessas culturas. Como o próprio Thiago: "Vem ver comigo o rio e suas leis./ Vem aprender a ciência dos rebojos,/ vem escutar os cânticos noturnos/ no mágico silêncio do igapó /coberto por estrelas de esmeralda" (Outros Poemas, Global Editora, 2007). Porque, diz ele, "de caminho de barcos sabe o mar. Os ventos é que sabem dos destinos".

Os ventos populares, com certeza, desaconselham a rota que põe em risco o Encontro das Águas. Então, convém ouvir de novo Fernando Sabino, ao visitar esse lugar: "Aqueles que se encontram na fase de industrialização estão correndo constantemente o risco de empobrecerem e de se desnortearem em vários rumos. Talvez amanhã a riqueza de um povo seja medida pelos seus esforços a favor da conservação da Natureza, do seu ambiente natural, ou seja, pela capacidade de conseguir preservar a sua própria alma." E, como sentencia ele, "não se desafia em vão a natureza".

(*) O artigo do jornalista foi publicado nesta sexta-feira (23/7/10) pelo O Estado de S. Paulo http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20100723/not_imp585067,0.php
Contato: e-mail wlrnovaes@uol.com.br

Foto: Valter Calheiros

quinta-feira, 22 de julho de 2010

DECLARAÇÃO DE VOTO

Marisa Lima (*)

Comunico através deste que estou envolvida de corpo e alma, em defesa do maior e mais belo ponto turístico do Estado do Amazonas, o Encontro das Águas, na luta pelo seu Tombamento. Há 2 anos, uma legião de pessoas de bem e do bem, luta contra uma outra legião formada por elementos, que quer a qualquer custo se apropriar deste patrimônio através da construção de um Porto para descarregar contêineres, na margem esquerda o Encontro das Águas, exatamente na boca do Lago do Aleixo.

Durante todo esse período de luta, poucas foram às autoridades, os políticos e pessoas comuns que se interessaram por essa importante causa socioambiental, desses poucos, menos ainda são os que ainda se envolvem com esta causa.

Sou ribeirinha nascida na região do Encontro das Águas, amo incondicionalmente esta região, para mim a questão ambiental é básica e prioritária. Por todo esse descaso das autoridades, políticos e público em geral para com essa grande ameaça a esse importante patrimônio do Amazonas, estou enojada e, assim, como não colaboraram, não esperem receber nenhuma colaboração de nossa parte. Seja ela qual for.

Tenho certeza que existe poder por parte das autoridades e políticos para por um ponto final nesta questão absurda que será com certeza absoluta, a degradação do nosso Encontro das Águas, só depende da vontade dos “poderosos” para isso acontecer, e como essa vontade não está existindo, também não estou disposta a apoiar quem quer que seja, que não moveu uma palha para colaborar nesta questão que é de interesse de todo ser humano e não apenas de alguns poucos. Pois, é contra meus princípios apoiar o desrespeito, negligência, omissão, insensibilidade para com o meio ambiente. Quanto à isso sou radical.

(*) É ribeirinha do Lago do Aleixo e militante do Movimento S.O.S Encontro das Águas.

NR: Assim como a dona Marisa Lima lavrou sua indignação faça você também o seu registro porque - Voto não tem preço, tem conseqüência. Portanto, proteja-se!!!

ELEIÇÕES: NO AMAZONAS EM QUEM DEVEMOS VOTAR?

As eleições estão postas, os candidatos já foram referendados pelos seus partidos, a Justiça Eleitoral examina se os candidatos estão a cumprir as determinações legais e logo mais vão ao ar nos programas eleitorais. Mas, tudo isso é relativo quando o cidadão eleitor por força de lei deve exercer a sua cidadania, optando por um determinado candidato e despachando os demais por algum tempo para o balatal, purgando seus vícios políticos eleitoreiros.

Essa faculdade somente o eleitor pode exercer. No entanto, antes dele os partidos já fizeram isso, selecionando o que eles julgam de melhor para a garantia dos seus interesses sejam privados ou públicos. O eleitor, nesse caso, é apenas convidado a referendar ou não nas urnas os iluminados dos partidos, que muitas vezes fazem parte das constelações das oligarquias dominantes regionais.

Então, como se pode conferir, não é o eleitor que é o protagonista da Democracia, mas sim os partidos políticos. Nessa perspectiva, o cidadão participativo e consciente deve deslocar a sua força para o controle dos partidos, como bem fez, o Movimento pela Ficha Limpa, exigindo que os candidatos se apresentem ao eleitor com o selo da Justiça para ser julgado nas urnas pelo povo.

Contudo, são os partidos que operam o sistema e, por isso, pode-se afirmar categoricamente que não há Democracia sem Partido Político, o que deveria merecer do eleitor cidadão maior atenção e comprometimento quanto à sua formação, organização e gestão. Se tal comprometimento houvesse, o cidadão eleitor não seria apenas o coadjuvante do rito eleitoral, mas o ator principal agregado aos interesses republicanos.

O fato é que somos convocados a votar, optar, devendo comparecer as urnas. Então, o que e como fazer para cumprir com justiça o sagrado direito do voto. Para isso, o eleitor cidadão obedece alguns critérios de escolha, seguindo muitas vezes as aparências pessoais ou, quem sabe, em cumprimento a trajetória política do candidato.

Nessa circunstância, cada eleitor responde por seus atos, devendo também ser julgado pela sua opção, não devendo mais tarde, a classe média, que julgamos ser mais esclarecida, imputar aos excluídos socialmente a responsabilidade pela escolha equivocada do candidato fanfarrão, corrupto e maledicente quanto à economia popular.

O que dizer da classe média do Amazonas. Qual o seu perfil? Como definir o seu vínculo com o processo produtivo? Os atores dessa classe são os principais beneficiários do poder público? A classe média almeja mudança? Quais são suas prioridades?

A formulação dessas questões faz-se com objetivo de mensurar a opção política dessa classe, que de antemão sabemos que não é homogênea e nem tampouco afeita ao espírito republicano. Contudo, dela pode-se exigir muito mais, discutindo suas escolhas e colocando em questão não só o presente, mas, o futuro do nosso Amazonas.